Páginas

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Bullyng de ensino superior!

Hoje estive na minha primeira orientação para a famigerada monografia. Ao chegar na sala e horário combinado com o professor, tive que aguardar o término da conversa entre o professor e um aluno do curso de cinema.

Notei que o rapaz tinha "voz anasalada", nome científico para um problema constantemente alvo de piadas: fanho.

Que é alvo de piadas genéricas, isso é um fato. E apesar de politicamente incorreto, se contadas entre quatro paredes sem a presença de alguém com o problema é ainda menos pior do que venho contar a seguir.

Depois que o aluno foi embora, o professor me confidenciou que num semestre anterior, numa disciplina teórica, foi determinado um seminário como trabalho de final de disciplina. Trabalho em grupo. Impressionantemente NENHUM grupo quis ter o menino fanho como integrante! O rapaz ficou preterido e sem grupo, sendo obrigado a fazer o trabalho sozinho e apresentá-lo na frente de todo mundo sozinho!

De certa maneira obteve sua vingança, pois todos tiveram que ficar e assistir sua apresentação, entendendo ou não (a maioria não entendeu, contou-me o professor, inclusive ele).

Mas eu particularmente fiquei estarrecido. Isso parecia história de sexta séria do primeiro grau, onde as crianças em sua maioria são sádicas e cruéis. Mas não era. Era um curso "superior" acadêmico formado por maiores de idade e teoricamente esclarecidos. Acrescenta-se o agravante de ser um campus localizado na Barra da Tijuca (área nobre e abastada do Rio de Janeiro).

Então resumindo: temos alunos maiores de idade, num curso superior, num bairro de classe média alta para rica, no turno da manhã (não predominância de trabalhadores que pagam a própria faculdade) que tem preconceito contra um colega fanho!

Isso me faz pensar: Pra que uma cartilha contra homofobia... apenas? Temos que conscientizar as crianças a serem tolerantes com TODA E QUALQUER DIFERENÇA, não apenas questões de opção sexual. Isso para desde já evitar que cheguem a maioridade e cometam bullying na faculdade!

Essa é a bandeira que devia ser levantada!




terça-feira, 30 de agosto de 2011

Pequenas idéias com grandes resultados!


Sensacional a iniciativa desse projeto patrocinado pela Volks. Me lembrou "Quero ser grande" com Tom Hanks. Mostra como um pequeno incentivo é o suficiente para fazer as pessoas se exercitarem mais. Para você que está com vontade de largar o sedentarismo, basta tentar torná-lo divertido. Curta o vídeo!


Vídeo retirado do Facebook de Ernesto Chapinel.

#forçaricardogomes


Campanha formidável. Mostra muito mais do que a merecida melhora do Técnico Vascaíno. Mostra solidariedade e respeito. Tapa na cara dos torcedores imbecis que sismam em atribuir guerra e ódio ao esporte!

Volte ileso Ricardo Gomes, o Futebol sente sua falta!

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Restart não é rock!


video


O vídeo fala por si só. Ainda há esperança musical na nova geração, bastando apenas o engajamento dos pais e a premissa de que você deve sempre desejar e correr atrás de um futuro melhor para seu filho.

Ávido por Rock'n roll, a criança do vídeo se irrita rapidamente com a tentativa de embromação colorida chamada restart. E olha que ele nem tem idade para ter lido o post do Pitaco sobre os meninos de maquiagem.

É bem taxativo quando diz: "Não é rock", com a mesma certeza de quem sabe muito bem quem é o papai e quem é a mamãe.

Dizem por aí que esse bebê também reconheceu o ultimo assassinato de Insensato Coração: A Mart'nalia tentando cantar.

Estamos esperançosos com a nova geração!




quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Pitaco do leitor!

Seguimos a recém inaugurada sessão interativa do Pitaco com a participação do trovador Leo Perovano:


Sobre a famosa Pegada


Pegada. Andamos ouvindo este termo de forma corriqueira nos nossos meios de comunicação, televisão, Internet, bate papo na escola ou trabalho, e na grande maioria das vezes utilizadas para uma dita ‘característica positiva masculina’. Afinal, do que se trata esse termo? O que querem dizer com essa gíria? Isso não é um neologismo, mas vejo como um novo uso de um vocábulo que deixa várias definições. Claro que é uma noção aberta à interpretação pessoal e como pessoa tentarei expor um pouco a minha idéia.
Muitas comunidades nas redes sociais costumam ilustrar esta tal de ‘pegada’ com um casal, geralmente um homem forte de calça jeans e sem camisa dando uma bela ‘encoxada’ em uma moça bonita. Só que acredito que isso também é só uma representação visual de algo mais subjetivo ainda. A ‘pegada’ trata justamente da pegada que o homem deixa por onde passa e quem ou o quê ele ‘pega’.
Pegada é atitude. Como você deixa sua marca na vida? Vai caminhando em ovos, pisando delicadamente, temendo as reações negativas da sociedade? Ou pisa com confiança, deixando sua característica nas decisões que vai tomando? Você deixa para amanhã tarefas que podem lhe deixar em uma situação difícil ou simplesmente pega as oportunidades que o destino lhe oferece com confiança?
Sabe-se que é cobrada a pegada masculina, contudo temos muitas mulheres com mais pegada do que os homens. Atualmente eu tenho quase certeza que as mulheres tem mais pegada que os homens. Só que temos também muitas mulheres que cobram essa pegada sendo que não tem nenhuma. É como oferecer uma sopa de chuchu sem sal. É super saudável, mas não alimenta uma pessoa ativa.
Costumam colocar a culpa em algo imponderável, se desculpam dizendo: ‘não rolou, não teve química’. Há uma famosa saída entre parte da juventude na qual me relaciono: ‘Se não rolou a química, tenta a física’. Simplório demais né? Só que algumas vezes funciona. Física é física, é Newton, é lei, como a terceira, da inércia que fala da ação e reação.
Minha idéia dessa lei é que para haver atração entre dois corpos é necessário contato, um tato apurado, uma intensidade aproximada, afetividade no sentido oposto sem medo de se estar exposto.
Mas nem sempre temos razão, fazemos o que bem queremos do nosso jeito, com nossas características, expondo nossa opinião, e o consenso surge da resultante apavorante de um emaranhado de respostas divergentes. Nunca se pode vencer uma discussão, só se chega a um ponto onde se acha suficiente o aprendizado, mesmo que seja um resultado desagradável.
Um simples encontro de almas pode ser puro repouso, serenidade como num pouso suave. Só que também pode ser movimento, explosão de sentimentos! Destruição ou criação, religação ou agressão e a aceleração dessas reações é igual à paixão com a qual investe nas relações que estabelece.
Finalizando, tenho a impressão de que se quer impressionar alguém, precisa atingi-lo com um meteoro da paixão (Como diria um sertanejo popular brasileiro). Crie o seu meteoro com suas próprias idéias e gostos. Faça suas fórmulas de física mesmo que esteja completamente errado, e mesmo que não entenda nada de física. Saia do casulo, não precisa virar borboleta pra isso, mas se quiser, fique à vontade. O negócio é não ficar estagnado, parado, nulo. Tenha atitude! Aja, crie, surpreenda, viva com intensidade e deixe no mundo inteiro sua pegada. Vai passar a vida inteira olhando para um passado que parece ser mais interessante que o presente?

Texto escrito por Leonardo Perovano



terça-feira, 16 de agosto de 2011

Pitaco do leitor!

Nesse post tivemos a participação de um ilustre leitor. Seu pitaco é sobre um tema muito pertinente e polêmico!



O direito de ser contra o homosexualismo e contra a homofobia ao mesmo tempo

Primeiramente, não sou nem nunca fui contra os homosexualismo mas não sou a favor dessa imposição da mídia, políticos e sociedade em geral para que todos aceitem o homosexualismo.

Se essa aceitação ocorresse, Marcelo Dourado não teria ganho o BBB-10, ao gritar: “Orgulho hetero” no programa, mostrando claramente aos telespectadores que não é simpatizante com o homosexualismo.

O radicalismo dessa imposição foi maior no momento em que o Ministério da Educação quis distribuir um kit gay nas escolas públicas para crianças de 7 a 10 anos. O kit foi suspenso pela presidente Dilma Roussef. Para protestar, o deputado Jair Bolsonaro (PP) distribuiu cerca de 50 mil panfletos “anti-gays” em escolas e residências no Rio de Janeiro, que diz o seguinte: “Com o falso discurso de combater a homofobia, o MEC, na verdade incentiva o homossexualismo nas escolas públicas do 1º grau e torna nossos filhos presas fáceis para pedófilos"

Obviamente q nao deve haver preconceitos e discriminação contra homossexuais, mas hj em dia a pessoa já é rotulada de homofobica apenas por nao gostar de ver duas pessoas do mesmo sexo se beijando no meio da rua. Deve sempre haver a liberdade de expressão e opinião, como por exemplo o direito de um deputado criar “ O Dia do Orgulho Heterosexual”, em resposta ao “Dia do Orgulho Gay”. o que está gerando muita polêmica. O projeto de lei do dia do orgulho hetero é do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que argumenta: "No momento que discutem preconceito contra homossexuais acabam criando outro tipo de discriminação contra os heterossexuais", argumenta ele.

Por isso não devemos confundir quem é contra o homosexualismo mas ao mesmo tempo é contra a homofobia, pois essa pessoa pode não aceitar a praticar homosexual mas também não aceita que um gay, lesbica ou transexual seja agredido verbalmente ou fisicamente.

Texto escrito por Rafael Poubel.

sábado, 13 de agosto de 2011

Funk com raízes na Bossa Nova - by Tom Zé.


Em mais uma prova de sua genialidade Tom Zé vem explicitar toda uma desproposital influencia cultural e histórica no refrão de um funk carioca - "Atoladinha".

Vale ressaltar que ele em momento algum diz que isso foi intencional e/ou pensado, mas comprova apenas a humildade que deveria pertencer a todos em enxergar arte até no mais esdrúxulo. Além disso, é muito engraçado!

Nunca falei tão bem de um funk carioca...rs

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Primeiro Tiririca, porque não um BBB?


A Ex-BBB/pupila/do/Pedro/Bial Priscila famosa quem, filiou-se ao PT do B. Parece que hoje o caminho do sucesso não limita-se a posar pelada. Há outra promiscuidade a seguir: "trabalhar" em Brasília.

Também, depois de testemunhar o maior palhaço do país mudar de lado e colocar o nariz vermelho no povo brasileiro, mais incentivo que isso só se o Restart fundar um partido e eleger pê-lanza pra presidente nas próximas eleições.

Nada de anormal num país onde coisa séria é brasileirão as quartas e domingos. Só nos resta torcer para que os eleitores de MS sejam menos bitolados que a paulistada que elegeu Tiririca o Deputado com maior número de votos do país (sou obrigado a jogar na cara).

Numa semana onde a Imprensa descobriu que existe assalto a ônibus e uma juíza linha dura e combatente de impunidade foi cruelmente assassinada a maior mobilização que eu vi da população foi tornar o #botafogo107anos o tópico mais comentado e incentivado nas redes sociais.

Bom, encerro esse post torcendo muito para que se faça justiças às barbáries da semana, porque afinal de contas, semana que vem é ultima semana de Insensato Coração. Aí o país vai parar para tentar descobrir quem matou a Norma.




quinta-feira, 11 de agosto de 2011

O verdadeiro Shrek!


Também do blog Nerd Pai, apresento-lhes o verdadeiro Shrek:






Maurice Tillet sofria de uma doença rara chamada Acromegalia, síndrome causada pelo aumento da secreção do hormônio do crescimento.

O Anjo Francês, como era conhecido na Luta Livre, faleceu em 1954.

Heróis Zumbis!

As próximas duas postagens eu tirei do blog Nerd Pai. O blog é divertidíssimo e dentro da nova tendência de que ser nerd é cult!

Abaixo imagens de Heróis em versão zumbi, desenhadas por André Freitas, um ilustrador de Lima, Peru.







O Inverno está chegando!





Não pretendo achar que seja novidade para muita gente, mas venho recomendar essa belíssima obra, reiterando seu valor para os que conhecem e indicando a quem ainda não ouviu falar.

Guerra dos tronos (original Game of Thrones) é o primeiro livro da série Crônicas de Gelo e Fogo escrito por George R.R. Martin.

Pensei em indicar a página da Wikipedia afim de alimentar esse post de um breve resumo sobre o livro, mas ao invés disso a Enciclopédia eletrônica conta a história toda estragando diversos pontos altos da história. Se você é daqueles que não gosta de saber do final do filme antes de assistir, recomendo evitar a Wikipédia.

Então basta dizer que As crônicas de fogo e Gelo é um forte candidato a sucesso épico depois de Tolkien. Cada volume dos três livros tem o tamanho da trilogia inteira do Senhor dos anéis. Então para quem não em paciência para ler, a HBO produziu uma série baseada no livro. Não é a mesma coisa, mas ainda assim é uma série que vale a pena assistir.

Para ilustrar bem o que estou falando, segue um trailler da série. Um aperitivo para os aventureiros que embarcarem na leitura dessa formidável obra!

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Estácio Top Fashion de Sá!


Realmente impressionante! Quando penso que a Universidade Estácio de Sá não tem mais como piorar sua imagem, ela surpreende! Depois do que já foi dito aqui dessa faculdade de badalhocas, sinto-me na obrigação de relatar a mais nova estratégia acadêmica da UNESA.

Terça feira ao entrar no campus Tom Jobim na Barra me deparei com nada mais nada menos que uma... feirinha!

Isso aí! Não era uma feira de livros, de comunicação, muito menos um evento de palestra ou algo didático, concernente a uma FACULDADE! Era uma feirinha tipo Top Fashion Bazar. Sapatos femininos, "roupitchas" de grife, cosméticos e demais integrantes da feira da providência. Faltou só os doces caseiros e os vinhos e queijos gaúchos (pode ser que eu não tenha visto).

Quer ganhar dinheiro e cagar para o ensino e os alunos? Beleza! Mas ao menos disfarça. Aluga stands para editoras de livros, revistas e periódicos acadêmicos, programas de intercâmbio, informáticas, cursos profissionalizantes, línguas, concursos e etc... As idéias são várias e pouco capitalistas.

Palmas para a Estácio, e aqui vai minha dica: Que tal Campus Rio Centro? Tem mais espaço...

Jornalismo para Jornalistas!


Ao melhor estilo Show de horrores para aparecer chamando a atenção, fui testemunha de um crime, quer dizer, digo, um programa pseudo jornalístico desses parodiados no "Tropa de Elite 2".

Não me pergunte o nome. Fiz questão de não memorizar, mas sei que é apresentado pela Senhora das fotos acima (Cidinha Campos) e transmitido com a cumplicidade da Band. Como estou de molho e Lucas batia papo comigo na cama, vislumbrei o que seria os piores minutos jornalísticos do meu dia.

Ela dissertava um louco monólogo sobre o sequestro do ônibus na noite anterior. Dentre as trivialidades que até um macaco vesgo sabe, como a necessidade de preparo da polícia, as falastronices do secretário de segurança pública e etc..., ela abordou dois pontos grotescos de causar inveja a João Kleber e Tiririca.

O primeiro foi meter o pau no insulfilme do ônibus. Ela usou uma analogia safada de que o filho dela foi reprovado na vistoria do Detran porque estava com insulfilme muito escuro, e vários ônibus podiam circular com insulfilmes pretos. Começou a pregar que todo ônibus tinha que ser transparente para sabermos o que acontece lá dentro.

Bom minha senhora de cabelos e massa encefálica cinzas, me diga se a transparência das janelas de diversos ônibus no Rio de Janeiro impedem as dezenas de assaltos diários. Outro detalhe, como transitar no verão cabuloso carioca sem insulfilme? Principalmente em terras vulcânicas como Caxias e Nova Iguaçu. Já sei, Senhora Cidinha não deve andar de ônibus, muito menos circular com frequencia nos locais citados. E aposto que o carrinho de político dela tem insulfilme!

Outro ponto grotesco foi quando ela noticiou que um dos marginais é sobrinho do traficante Fernandinho Beira-Mar. Aí ela se superou. Começou uma tese nada científica que deve-se "castrar" todo marginal, porque se este tiver filhos serão outros marginais. Fez outra analogia safada comparando Fernandinho Beira-Mar e seu sobrinho, com a família Niemeyer. Enquanto uma só tem bandido, outra só tem cidadão notável e do bem. "Gente de bem só tem filho do bem e gente do mal só tem filho do mal" - palavras dela. O mestrado em sociologia por correspondência que ela fez não deve considerar criação, habitat, meio, educação, dentre outros fatores que influenciam o caráter de alguém. Basta ver o pai do sujeito. É bom, então é bom. É mau, então é mau.

Por isso inicio aqui uma tímida campanha. Vamos dar o jornalismo para Jornalistas formados. São quatro anos de estudos acadêmicos, teoria, prática e o suficiente para evitar ao máximos atrocidades como o programa da Senhora Cidinha. Não me consulto com pajé, só médico formado. Não arranco dente com Xamã, só com dentista formado. Não moro numa casa construída por entusiastas, apenas projetada e supervisionada por arquiteto e engenheiro civil. Então porque aceitar jornalismo de artista. Artista faz arte.

Saudades do Gil Gomes. Se é pra ser sensacionalista, faça direito!



terça-feira, 9 de agosto de 2011

Pitaco de volta!

Salve Salve. Catando milho e parando de cinco em cinco minutos para descansar as mãos, o pitaco se desenterra desse hiato de dois meses pós-acidente-apocalíptico-fraturático.

Para quem não sabe, um breve relato desse blogueiro macho (impedido por fraturas nos dois pulsos) que não desmunheca.

Ao desviar de um animal na pista em plena praia da reserva, à noite, joguei minha moto para o acostamento, acreditando piamente que nada me impediria de voltar para a pista. Ledo engano. A péssima iluminação concedida pela prefeitura (ponto para o Sr Paes), em conjunto com a ilusão de ótica que uma calçada confeccionada com o mesmo material que o acostamento (mais um ponto para o Sr Paes), sem sinalização, sem pintura significante (outro ponto para Dudinha Paes) me tranquilizou até bater em cheio no meio fio. A moto ficou e eu voei por metros. Num reflexo natural usei as mãos para aparar a queda. Resultado: duas frauras. Uma básica na esquerda e uma plus (exposta) na direita. Só porque não sou canhoto!

Mas cá estou. 30% recuperado, mas o suficiente para dar e fomentar pitacos no nosso blog favorito!

Aproveito essa volta para falar de algo que realmente estou tendo contato nos ultimos meses: Acessibilidade.

Parabenizo os estabelecimentos (felizmente a maioria) que possuem banheiros para deficientes. Mas vai aqui a minha dica: O banheiro deve ser individual. Falo isso porque alguns locais colocam o banheiro de deficiente dentro dos banheiros regulares. No banheiro masculino, um banheiro de deficiente, e no feminino outro. Se quiser separar os sexos, beleza, mas faça isso fora.

Agora vem a justificativa. Imaginem eu, minha esposa, e Lucas recém nascido num mercado. Preciso ir no banheiro. Vou arrastar minha família para o banheiro masculino? Só vai faltar a toalha quadriculada e a cesta pro piquenique. Ou entro no feminino e testemunho segredos universais (porque mulher vai junta no banheiro, porque demoram tanto, etc). Daí um banheiro de deficiente individual. E não falo só de deficientes ou acidentados como eu. Um pai passeando com sua filhinha pequena que não tem idade para ficar desacompanhada. O inverso, uma mãe com um filho pequeno. Vendar os olhos é uma opção, mas o banheiro de deficiente fora ajuda.

Podem me ajudar com exemplos, ou me apontar discordâncias.

Mas o tenso mesmo são as vagas para deficientes. Putz. Como é facil ver um vermelho vociferar barbaridades sobre a corrupção do governo, ou um boleiro apontar as falhas do árbitro no ultimo jogo do seu time mas pegar o carro, ir ao mercado e parar na vaga de idoso cagando pros velhinhos.

Não espere ficar velho para achar que tem moral para falar dos babacas como o da foto desse post. Nem se acidentar ou tornar-se um deficiente para criar consciência. Pare um pouco mais distante, faça um exercício, mas seja cidadão!

Espero o retorno de todos. O Pitaco é de vocês!